Depressão pós-parto: Como ultrapassar?

Foi mãe recentemente e não está a conseguir lidar com todas as tarefas e, ao mesmo tempo, carrega em si uma tristeza e ansiedade que parece não acabar? Está na hora de pedir ajuda pela sua saúde, mas também pelo do seu bebé! Depressão pós-parto é muito mais do que um simples sentimento de tristeza...

Mãe revela depressão pós-parto ao lado da sua criança bebé.

Depressão pós-parto é uma doença comum que afeta entre 20% a 35% das mulheres e ocorre nos primeiros três meses até, aproximadamente, aos 18 meses após o nascimento do seu filho. Desta forma, deve ser tratada e não ignorada pelas mães, pois pode levar, por vezes, a situações graves.

Alguns sinais e sintomas de depressão pós-parto

  • Irritabilidade e choro fácil;
  • Tristeza prolongada (mais de duas semanas);
  • Falta de energia;
  • Incapacidade de realizar tarefas do dia a dia;
  • Desinteresse pelo bebé ou ansiedade exagerada pelo seu estado de saúde;
  • Baixa autoestima e perda de confiança;
  • Sensação de culpa, vergonha ou fracasso;
  • Dificuldade de concentração, atenção e memória;
  • Alterações do apetite e do sono;
  • Ideias de morte ou suicídio.

Causas

Engane-se se pensa que o seu estado depressivo seja só pelas mudanças hormonais do seu corpo, embora se relacionem, efetivamente, com as mudanças de humor. Contudo, a depressão pós-parto deve-se antes à combinação de uma série de fatores, mais concretamente biológicos, psicológicos, familiares e socioeconómicos.

De acordo com os estudos e o diagnóstico dos pacientes, sabemos nos dias de hoje, que um dos principais percursores da depressão pós-parto é a ansiedade que está associada à gravidez. Na verdade, por norma, os primeiros sinais de depressão pós-parto acontecem ainda durante a gravidez. De salientar que se deve ter em conta o histórico da mãe se, antes da gravidez, revelou problemas de ansiedade, bem como a história psiquiátrica do antes e durante a gravidez.

Fatores de risco para a depressão pós-parto

Embora qualquer mulher possa ter uma depressão pós-parto, há circunstâncias que aumentam esse risco, tais como:

  • História pessoal ou familiar de depressão;
  • Depressão durante a gravidez;
  • Ansiedade durante a gravidez (ainda mais importante do que a depressão);
  • Complicações na gravidez ou no parto;
  • Parto anterior traumático;
  • Perdas gestacionais anteriores;
  • Falta de apoio familiar;
  • Má relação conjugal;
  • Ser mãe de prematuros ou de gémeos;
  • Gravidez indesejada.
NOTA: Importa realçar que metade das mulheres que tem depressão pós-parto nunca tinham manifestado depressão antes. Por conseguinte, devem procurar realmente ajuda quando confrontadas com esta situação.
Mãe revela depressão pós-parto ao lado da sua criança bebé.

Tratamento de depressão pós-parto

Desta forma, depressão pós-parto pode ter um impacto negativo na saúde da mãe, bem como na saúde e no desenvolvimento do bebé. Felizmente, a depressão pós-parto é tratável. Assim sendo, existe medicação segura mesmo durante a gravidez e amamentação. Contudo, só o médico poderá dizer quais e como os tomar, pelo que as mulheres deverão sempre ter acompanhamento psicológico em parceria com a psicofarmacologia.

Dicas para prevenir a depressão pós-parto

  • Descanse
    Aproveite as visitas para dormir ou para tirar algum tempo só para si, indo às compras ou ao cabeleireiro, por exemplo. Tentar dormir e fazer um sono o mais reparador possível é fundamental, de forma a tranquilizar o seu corpo e o seu estado emocional.
  • Divida os trabalhos domésticos e os cuidados ao bebé
    Tratar da casa e cuidar de um bebé ao mesmo tempo pode ser uma tarefa desgastante. Assim, a responsabilidade não pode ser só da mãe. Delegue nos outros.
  • Não dê ouvidos às críticas
    Há sempre uma tia ou uma amiga pronta a julgar e a censurar tudo o que faz. Não dê ouvidos a tudo e todos.
  • Não tente ser perfeita
    Todas as mulheres já tiveram dúvidas, mesmo que não o confessem. Defina o que é realmente importante e reduza a exigência. Além disso, retire as suas dúvidas e verbalize os seus sentimentos.

Partilhe o artigo

Share on facebook