fbpx

R. do Dom António José Cordeiro 52

3800-003 Aveiro, PORTUGAL

234 097 862 | geral@serecrescer.pt

Fale connosco no chat!

Segunda a Sexta-feira: 10:30 - 12:30 | 14:00 - 20:00

A sua saúde é importante!

O meu filho não me respeita

O meu filho não me respeita e agora o que faço? Não se preocupe, a irreverência faz parte de um crescimento saudável! Contudo, quando os pais começam a perder o controlo das ações dos filhos tudo pode correr mal. Descubra alguns sinais e como pode contornar este problema!

O meu filho não me respeita.

Não há nenhum pai ou mãe que tenha dito esta frase pelo menos uma vez na vida “o meu filho não me respeita!”. Todos nós, pais, desejamos ter uma relação agradável e harmoniosa com o nosso filho. No entanto, vão surgindo episódios de tensão e conflitos no dia a dia. Em algumas ocasiões, chegamos mesmo a sentir que a situação escapa do nosso controlo e o nosso filhos revela um comportamento completamente inadequado, não só no seio familiar como também em contexto social.

4 comportamentos típicos de desrespeito que deve ter em conta:

Em primeiro lugar, é necessário definir o que é desrespeito para si, pois todos nós temos valores e padrões éticos diferentes. Às vezes, acabamos por esquecer que as crianças e adolescentes também têm emoções próprias, com dias bons e maus. Como todas as pessoas, os mais novos passam por momentos em que se sentem cansadas, de mau humor ou sem saber como lidar com a frustração. Se os comportamentos inadequados do seu filho ocorrem de forma esporádica, tente colocar-se no lugar dele. Procure falar e entender o que está a acontecer no seu dia a dia para, desta forma, atuar com cautela e ajudá-lo a expressar-se de outra maneira. Por outro lado, se esse comportamento ocorrer com frequência e intensidade, será necessário intervir. Algumas das ações sobre as quais deve prestar atenção:

  1. Se o seu filho procura desafiá-lo constantemente. Geralmente acontece para pôr a prova a sua autoridade, gerando uma luta de poderes.
  2. O seu filho exige que realize as suas vontades de forma imediata, ignorando a autoridade dos pais.
  3. Manifesta aborrecimento a falar, jogar ou a brincar consigo, acabando por quebrar objetos, na tentativa de impor a vontade dele.
  4. Grita ou usam palavras agressivas quando tenta impor alguma norma.

O que devo fazer para o meu filho respeitar-me?

A forma crucial para incutir um comportamento exemplar com o seu filho é procurar ser um modelo de conduta. Não é um assunto fácil, pois requer a vontade de manter a calma diante de qualquer situação de conflito. É imprescindível não perder o controlo dos nervos com o seu filho e nunca deve agir com agressividade física ou verbal. Além disso, precisa de ter a integridade necessária para pedir desculpas ao seu filho quando, porventura, errar. Ao normalizarmos esse comportamento, evidencia um perfil mais humano e demonstra que o arrependimento é um importante comportamento interpessoal.

Procure estabelecer regras de conduta! Infelizmente as crianças não têm a capacidade de entender quando estão a praticar um comportamento inaceitável. Deste modo, deve-lhe demonstrar que caso essas regras sejam quebradas haverá consequências. Não deve abrir exceções às faltas de respeito do seu filho, isto porque, enquanto pais, perdemos a credibilidade e coerência.

Se não estou a conseguir lidar com o meu filho mesmo com as regras que tenho implementado, o que devo fazer?

A Ser e Crescer – Serviços Clínicos dispõe de consultas de psicologia com profissionais experientes em lidar com crianças e jovens com resultados extremamente positivos. As consultas de psicologia são essenciais para perceber o perfil da criança e quais os métodos a utilizar para conseguir melhorar o comportamento.

Além disso, é recomendável que a mãe e o pai compareçam nas consultas. As consultas de psicologia irão ajudar a mudar o comportamento do seu filho, mas também irá conseguir aprender a controlar a criança em situações de abuso de autoridade e lidar com as vontades imperativas do seu filho.

Conclusão

Tenha consciência da fase que a criança atravessa e procure adequar a sua forma de estar consoante as situações de conflito. Lembre-se que tem de ser um exemplo e não pode abrir exceções, de forma a não ser coerente com as suas ações. Há sempre uma solução e o psicólogo tem um papel importante para ajudar o seu filho. Vai ver que com o tempo irá deixar de dizer “O meu filho já me respeita”.  

Mulher com síndrome de Burnout.

Sofre de Burnout? Saiba os Sintomas, Causas e Tratamentos

A síndrome de burnout define-se por exaustão emocional, despersonalização e perda de realização pessoal, ou seja, um esgotamento físico, mental e psíquico, associado ao stress no trabalho. Apesar do termo ser inglês (que significa “queimar até ao fim”), em Portugal é cada vez mais frequente.​

Ler Mais »
A dor de quem fica pós suicídio.

Suicídio… A dor de quem fica?

A psicóloga Drª. Clara Alves reflete sobre a dor de quem fica de quem tenha perdido um ente querido num episódio de suicídio. Descubra qual o último ato de amor que tem de fazer para conseguir ultrapassar a dor da perda.

Ler Mais »
Dicas para ultrapassar o fim de uma relação.

Dicas para ultrapassar o fim de uma relação

Ultrapassar o fim de uma relação nunca é fácil e acabamos por passar momentos conturbados a nível psicológico. Na Ser e Crescer – Serviços Clínicos temos tido alguns pacientes que tiram partido das consultas de psicologia para encontrarem o seu equilíbrio emocional.

Ler Mais »

Partilhe o artigo no facebook

Share on facebook

Newsletter

O nosso dever como médicos passa também por informar e alertar as pessoas para eventuais situações que possam prejudicar a sua saúde. Se quer estar bem informado e manter uma vida saudável, assine o formulário!